Decisão da Justiça amplia prazo para municípios aderirem ao Sinaflor

Os municípios gaúchos têm um novo prazo para a utilizar o Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor). Até 30 de abril de 2019, as prefeituras poderão continuar autorizando a supressão de vegetação nativa de forma independente. A nova data foi estabelecida pela Justiça Federal em liminar deferida nesta segunda-feira (10/12). No despacho, a juíza substituta da 9ª Vara Federal de Porto Alegre alegou que os problemas operacionais do Sinaflor justificam a ampliação do prazo. “Autoriza-se que os municípios do Rio Grande do Sul, que atuam na supressão de vegetação nativa, continuem emitindo autorização fora do Sinaflor”, relatou a magistrada.

Atendendo a um pedido da Famurs, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) ingressou com ação civil pública contra o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), órgão que coordena a operação do Sinaflor. No processo, a Fepam argumentou que “os prazos estabelecidos pelo Ibama para a utilização do Sinaflor venceram sem que fosse implementado o efetivo acesso ao sistema aos municípios”.

De acordo com a assessora técnica da Área de Meio Ambiente da Famurs, Marion Heinrich, mesmo os municípios já cadastrados no sistema encontram dificuldades para emitir as autorizações. “A liminar é para que os municípios possam continuar licenciando o manejo de vegetação nativa até que o Sinaflor esteja pronto de fato”, ressaltou. O Ibama não informou a relação completa dos municípios já cadastrados.

Conforme a sentença, os municípios gaúchos deverão continuar tentando emitir as autorizações via sistema. Caso o Sinaflor não funcione, estarão autorizados a operar de forma independente, mediante a comprovação do problema. Uma nova audiência ficou agendada para o dia 11 de abril com o intuito de verificar a efetiva implementação do sistema e analisar a necessidade de nova prorrogação.

Confira a decisão na íntegra.

 

Entenda o problema

Desde o dia 2 de maio de 2018, quando venceu o prazo inicial para a utilização do Sinaflor, os municípios passaram a ter problemas na emissão de autorizações de supressão de vegetação nativa. Ciente disso, o presidente da Famurs, Antonio Cettolin, esteve em Brasília para levar ao conhecimento do ministro Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da presidente do Ibama, Suely Araújo, a dificuldade que os municípios estavam enfrentando para utilizar o Sinaflor. Apesar dos argumentos, as solicitações não foram atendidas, obrigando a entidade a pedir apoio da Fepam para ingressar na Justiça. O Ibama e a Fepam realizaram 10 oficinas, com o apoio da Famurs, capacitando pelo menos 413 municípios. Durante esse tempo, os pedidos de autorização de supressão de vegetação nativa ficaram suspensos na maior parte do Estado.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!